Quando o animal nasce e mama o colostro da mãe, que é o primeiro leite composto com vários anticorpos maternos ele adquire uma imunidade passiva. Ou seja, é uma imunidade que a mãe produziu e passou pra ele pelo leite. Esses anticorpos eles são absorvidos apenas nas primeiras 24 horas de vida, após, o filhote não é mais capaz de absorver. O rottweiler e o pitbull são raças que tem o intestino mais sensível, com isso a susceptibilidade deles a doenças nos mesmo é maior e geralmente a gravidade também é maior. Com isso devemos sempre ter em mente que são animais que correm alto risco de vir a óbito ou contraírem parvovirose e coronavirose. O motivo dessas raças serem mais sensíveis ainda é incerto, mas além de pegarem mais fácil, eles também apresentam sintomas mais graves. Devemos ter um cuidado ainda maior com o Rottweiler pois ele geralmente evolui para o óbito. A imunidade passiva, para as doenças que tem vacina, pode durar entre 9 a até 14 semanas. A concentração da imunidade transmitida pela mãe começa a diminuir com 6 semanas e a do filhote começa a se desenvolver..

Quando o animal nasce e mama o colostro da mãe, que é o primeiro leite composto com vários anticorpos maternos ele adquire uma imunidade passiva. Ou seja, é uma imunidade que a mãe produziu e passou pra ele pelo leite. Esses anticorpos eles são absorvidos apenas nas primeiras 24 horas de vida, após, o filhote não é mais capaz de absorver. O rottweiler e o pitbull são raças que tem o intestino mais sensível, com isso a susceptibilidade deles a doenças nos mesmo é maior e geralmente a gravidade também é maior. Com isso devemos sempre ter em mente que são animais que correm alto risco de vir a óbito ou contraírem parvovirose e coronavirose. O motivo dessas raças serem mais sensíveis ainda é incerto, mas além de pegarem mais fácil, eles também apresentam sintomas mais graves. Devemos ter um cuidado ainda maior com o Rottweiler pois ele geralmente evolui para o óbito. A imunidade passiva, para as doenças que tem vacina, pode durar entre 9 a até 14 semanas. A concentração da imunidade transmitida pela mãe começa a diminuir com 6 semanas e a do filhote começa a se desenvolver. E é nessa hora que a imunidade da mãe pode chegar a níveis muito baixos, não protegendo mais o filhote, é nessa idade também que geralmente os filhotes começam a ficar mais independentes da mãe e serem desmamados. Esse tempo em que a imunidade passiva cai e a do filhote começa a se desenvolver é chamada janela vacinal, onde os anticorpos da mãe não protegem contra infecções, mas podem atrapalhar a criação da resposta imune do filhote. Por isso para garantir que o animal irá criar uma resposta imune fazemos várias doses de vacina, na primovacinação. Exclusivamente os anticorpos para parvovirose da mãe podem durar até 14 semanas, com isso recomenda-se uma 4ª dose da vacina para as raças susceptíveis na 18ª a 20ª semana. Garantindo assim que o filhote tomará uma dose da vacina próximo da 16ª semana, quando fecha a janela vacinal, e um reforço entre as 18ª e 20ª semana, garantindo assim imunidade. Como não conseguimos garantir que o animal criou uma imunidade boa com apenas 2 ou 3 doses, preventivamente fazemos essa 4ª. Outra opção seria a vacinação na 4ª semana com a vacina puppy, da MSDⓇ , que possui apenas anticorpos para Cinomose e parvovirose. Essa opção é muito válida para animais que estão em ambientes de risco ou que não ingeriram colostro. Comumente a parvovirose acaba infectando junto com o vírus do coronavírus canino, causando uma infecção mais séria. Por isso, essas raças devem ser vacinadas com vacinas de qualidade e de preferência múltiplas de 8 ou 10, importadas, garantindo uma imunidade adequada para coronavírus e parvovírus. Outro ponto importante é que a vacina sempre deve ser aplicada por um médico veterinário, pois o animal deve estar apto para receber a vacinação e assim produzir anticorpos. Somente o médico veterinário, com base no exame clínico e anamnese pode avaliar se o animal está saudável para receber a vacina. O reforço vacinal deve ser anual, com apenas uma dose da data da última dose da primovacinação. P. exp se o animal tomou a 4ª dose em 01 de outubro de 2019 o reforço anual deve ser em 01 de outubro de 2020. Alguns trabalhos recentes referem que os anticorpos criados na vacina duram mais de 1 ano, porém o ideal seria mensurar a resposta imune de cada doença e vacinar apenas o que for necessário, isso está fora da nossa realidade. Sendo muito inviável financeiramente, no Brasil optamos por fazer a vacinação com as múltiplas anualmente, uma dose de reforço. A vacina da raiva pode ser feita a partir da 16ª semana, geralmente o proprietário opta por vacinar junto com a última dose. As vacinas múltiplas (V7,V8 e V10) e Raiva são obrigatórias por terem eficácia comprovada na criação da imunidade, protegendo o animal efetivamente e por proteger de algumas doenças que são zoonoses, como a Raiva. A vacina acaba sendo a forma mais eficaz e barata de prevenir o animal contra doenças que podem levá-lo a óbito ou vão gerar um grande custo no tratamento. A vacinação da mãe tem que ser indispensável, por promover uma proteção nas primeiras semanas de vida.

3 comentários em “Vacinação – Rot e Pit – Patolas – Bianca Bennati”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial
Facebook
Instagram
WhatsApp chat